“Dizem que os acadêmicos e os intelectuais devem ser neutros, mas não existe neutralidade no pensamento.”

Florestan Fernandes

8.8.11

Una lección de palos y gases para los estudiantes



http://www.pagina12.com.ar/diario/elpais/1-173839-2011-08-05.html

Los mil efectivos dispuestos por La Moneda para evitar que los jóvenes llegaran a sus alrededores lanzaron gases y corrieron a los estudiantes por varias horas. El reclamo educativo sigue en pie. Cacerolazo en contra de la represión.

 Por Christian Palma


Desde Santiago

Las bombas lacrimógenas se dejaron sentir temprano en Santiago. En la refriega al menos 552 estudiantes fueron detenidos en todo el país, incluyendo muchos menores de edad. También hubo decenas de heridos, entre ellos al menos veintinueve carabineros, informaron fuentes oficiales. A eso de las diez de la mañana, diversos piquetes de las fuerzas especiales de carabineros se apostaron en la principal avenida capitalina para ejecutar la tajante orden emanada del gobierno: “Los estudiantes no podrán marchar por la Alameda”. Si bien la Intendencia metropolitana no autorizó las dos manifestaciones masivas convocadas en distintos horarios por los secundarios y universitarios, fueron los “pingüinos” (estudiantes secundarios) los que calentaron la fría mañana cuando, haciendo caso omiso de lo decretado por la autoridad, fueron llegando al tradicional punto de encuentro: la plaza Italia. Pero ahí estaban los pacos, tapados con sus escudos, entre medio de los camiones hidrantes, esperando la voz principal que dijera “a reprimir”. Y así nomás fue. Los mil efectivos dispuestos por La Moneda para evitar que los jóvenes llegaran a sus alrededores lanzaron gases y persiguieron a los estudiantes por varias horas.
Nadie pasó por la Alameda, pero sí hubo casi 200 detenidos en el lugar, muchos de ellos menores de edad, heridos de consideración en ambos bandos y la desaprobación de buena parte de la ciudadanía que no dudó en comparar la acción de los policías con los tiempos más duros de la dictadura de Pinochet.
Luego del intento de marcha que los secundarios realizaron por la mañana en el centro de Santiago, desafiando a las autoridades que no permitieron la manifestación, los dirigentes estudiantiles realizaron un balance, cuestionando la labor de la fuerza pública. Una de las voceras de la Federación Metropolitana de Estudiantes Secundarios (Femes), Paloma Muñoz, confirmó las detenciones y fracturas de varios de sus compañeros.
La negativa de las autoridades a la manifestación y el respaldo otorgado a los carabineros encendió más los ánimos. El ministro secretario general de Gobierno, Andrés Chadwick, salió al cruce de las numerosas denuncias de violencia excesiva y declaró: “Carabineros ha actuado en forma absolutamente responsable y prudente, con apego a la ley y, como corresponde, en forma completamente profesional. Está actuando con su responsabilidad profesional para cuidar los derechos de todos los ciudadanos frente a un grupo de jóvenes que sabía perfectamente que las marchas no estaban autorizadas, que no correspondía hacerlas y se les ofrecieron varias alternativas, pero obcecadamente insistieron en hacerla por la Alameda”, agregó.
Mientras el olor a gas y las barricadas se disolvían en Santiago a punta de palos y golpes, en las demás regiones de Chile, especialmente en las universidades, los enfrentamientos continuaban.
Un grupo de estudiantes tomó la estación de Chilevisión durante cuarenta minutos y grabó una proclama que sería emitida hoy. Después de hacerlo los estudiantes abandonaron la estación sin que se registraran incidentes.
Según los medios locales, más de cinco mil alumnos protestaron en Valparaíso. En mayor o menor grado el cuadro se repitió en Talca, Concepción, Valdivia, Antofagasta e Iquique. Un informe preliminar del Ministerio del Interior cifró en 243 los detenidos fuera de Santiago. La jornada continuó entre rumores de que la marcha general de la tarde se suspendería; sin embargo, la presidenta de la Federación de Estudiantes de la Universidad de Chile (FECH), Camila Vallejo, salió a aclarar el tema confirmando el llamado a manifestarse a partir de las 18.30 en plaza Italia y para las 21.00 a un cacerolazo “contra la represión”. Los estudiantes se reagruparon otra vez camino al centro neurálgico de las protestas. Pero Carabineros repitió el número. Camiones hidrantes, palos y golpes. Barricadas, piedrazas y molotov por parte de los jóvenes manifestantes.
La dirigente de la FECH declaró que “el gobierno ha tratado de separarse de nuestro pasado oscuro que muchos recuerdan, que no se quiere volver a repetir, sin embargo hoy día nos hace mucha alusión a eso, a cómo era nuestro país treinta años atrás y por más que se diga que hay una nueva forma de gobernar, parece una forma muy añeja, dictatorial, que se repite con los mismos que fueron autores y protagonistas de esos hechos de represión”, dijo calificando al centro de Santiago como en estado de sitio.
En tanto, el diario La Tercera informó que la Confederación de Estudiantes de Chile (Confech) dio un plazo de seis días al gobierno para responder a las demandas estudiantiles, presentes en el petitorio entregado por el movimiento estudiantil que incluye educación gratuita y fin al lucro.
Hace unos días, el gobierno de Sebastián Piñera entregó un documento donde intentó dar solución a las demandas estudiantiles. La respuesta oficial se dará hoy, pero según lo adelantado por los líderes universitarios, será rechazado.
“No nos podemos dar por notificados cuando ellos mismos, los dirigentes de la Confech, se comprometieron a dar una respuesta mañana (por hoy). No entendemos como respuesta emplazar al gobierno en la forma como lo han hecho. Al gobierno no se le emplaza de esa manera ni vamos a aceptar que se nos emplace de esa forma”, sentenció el vocero de La Moneda.
A su vez, la oposición, reunida en la Concertación, también rechazó la fuerza policial, mientras que la derecha política guardó silencio. Silencio ocasionado también por otra mala noticia para Piñera que se suma a la pésima imagen internacional que ha proyectado Chile en los últimos meses.
El Centro de Estudios Públicos (CEP) dio a conocer su influyente encuesta semestral, donde reveló que Sebastián Piñera sólo tiene un 26 por ciento de aprobación a su gestión, la cifra más baja que recibe un jefe de Estado desde que se realiza esta medición desde hace varios lustros.
Además un 53 por ciento rechaza su tarea, lo que significa un alza de 19 puntos con respecto a la encuesta anterior, correspondiente a noviembre-diciembre de 2010. Hasta ayer, Eduardo Frei era el presidente que mostraba los peores números de respaldo en este estudio de opinión, con un 28 por ciento a fines de 1999.
El golpe fue duro y fue atribuido a la crisis estudiantil, el reciente cambio de gabinete (incluido el ministro de Educación) y a promesas de campañas no cumplidas.
Además, un 25 por ciento consideró que la calidad de la educación ha mejorado, no obstante un 80 por ciento expresó su rechazo al lucro en colegios y universidades, lo que dio más fuerza a los líderes estudiantiles para levantar su voz.
Al final del día, poco antes de las 21 y en varios puntos de Santiago, comenzó el “cacerolazo”. Los más viejos lo volvieron a comparar con las protestas anónimas que a mediados de los ochenta se escuchaban contra Pinochet, para los más jóvenes es un nuevo hito en pos de lograr una educación gratuita, de calidad y equitativa para todos por igual, no sólo para los que tienen dinero.
@chripalma

Carta ao prefeito Gilberto Kassab acerca do “Dia do Orgulho Hétero” (05-08-2011)



Carta ao prefeito Gilberto Kassab acerca do “Dia do Orgulho Hétero” (05-08-2011)


Câmara dos Deputados
Gabinete do Deputado Jean Wyllys PSOL/RJ
.
.
Exmo. Sr. Prefeito Gilberto Kassab

Eu, Jean Wyllys, como cidadão brasileiro homossexual e deputado federal que defende a causa de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transgêneros (LGBT), entre outras, venho por meio desta dizer que me sinto afrontado com o projeto de lei 294/2005, do vereador Carlos Apolinário (DEM), que institui o Dia do Orgulho Heterossexual e, nessa condição de parlamentar que tem como função representar os interesses da comunidade LGBT, argumentar em favor do veto dessa Lei, que deturpa, e, por que não, viola o princípio constitucional da igualdade.

O senhor sabe, prefeito, que é objetivo fundamental da República Federativa do Brasil reduzir as desigualdades sociais, conforme está expresso no inciso III do artigo 3º da Constituição Federal. Sabe também que, entre os brasileiros, é garantida a plena igualdade (artigo 5º, caput, da mesma Constituição).
Ocorre que a igualdade não é concebida apenas do ponto de vista formal, senão também do ponto de vista material. Já vem de Aristóteles a idéia de igualdade associada à de justiça. Por isso, ensina o constitucionalista José Afonso da Silva, a equidade só é concebida junto com a outra desigualdade que lhe é e que deve lhe ser complementar: aquela que só será “satisfeita se o legislador tratar de maneira igual os iguais e de maneira desigual os desiguais”. Por isso se diferencia a igualdade formal, segundo a qual os seres da mesma categoria devem ser tratados da mesma forma, da igualdade material, que significa que cada um deve ser tratado de acordo com suas necessidades, méritos e peculiaridades. Nesse sentido, estimado Kassab, o Supremo Tribunal Federal veda a discriminação baseada em critérios arbitrários, mas considera legítimo e necessário o tratamento desigual dos desiguais.

Ou seja, com a igualdade material se busca equalizar condições desiguais. Para tanto, além de superar as injustiças socioeconômicas entre as diferentes classes sociais, é necessário romper com estigmas que pesam contra determinados grupos culturais e de identidade que compõem a sociedade brasileira, que por vezes padecem de exclusão simbólica. Como tal desiderato demanda políticas públicas para sua efetivação, a proposição em comento não pode ser aceita.

O sistema global de proteção dos direitos humanos corrobora a necessidade de proteção específica a grupos peculiares. A primeira fase do desenvolvimento desse sistema foi a da afirmação da igualdade entre todos os indivíduos. Foi marcada pela promulgação do que se chama de Carta Internacional de Direitos Humanos, composta pela Declaração Universal de 1948, pelo Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos e pelo Pacto Internacional de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais, ambos de 1966. Pesava aqui o trauma da experiência de diferenciação do nazismo.

A segunda fase foi aquela da “multiplicação dos direitos”, na expressão do filósofo do Direito Norberto Bobbio.Trata-se de um processo em que a noção abstrata de indivíduo dá lugar aos indivíduos concretos, de carne e osso, com posições sociais, identidades e necessidades específicas. Por isso se construiu o sistema especial de proteção dos direitos humanos, que dá tutelas especiais aos diferentes grupos econômicos, sociais e identitários, que culminou nas convenções dos direitos das mulheres, das crianças, contra a discriminação racial, etc.

Assim, na expressão da jurista Flávia Piovesan, o reconhecimento e proteção do indivíduo social e historicamente situado faz com que, ao lado do direito à igualdade, nasça o direito à diferença: importa “assegurar igualdade com respeito à diversidade”. A igualdade material, assim, passa pela busca de justiça social e distributiva, orientada por critérios socioeconômicos, e também pelo reconhecimento de identidades, tratando-se, nesse último caso, de igualdade orientada pelos critérios de gênero, orientação sexual, idade, raça, etnia, etc.

Não é por outro motivo que o Conselho de Direitos Humanos da ONU aprovou, em 15 de junho deste ano, Resolução sobre direitos humanos, orientação sexual e identidade de gênero. O Conselho, na Resolução, recorda que a Declaração Universal dos Direitos Humanos afirma que todos os seres humanos são iguais em dignidade e direitos, sem distinção de qualquer natureza, como raça, cor, sexo, língua, religião, política, nascimento ou outro status. A Resolução expressou, ainda, grave preocupação com atos de violência e discriminação contra indivíduos devido à sua orientação sexual e identidade de gênero.
D
iante de tal conjuntura internacional, caro prefeito Gilberto Kassab, qual não seria o retrocesso brasileiro caso vossa excelência sancione a lei aprovada pela Câmara de São Paulo. O Dia do Orgulho LGBT (assim como o Dia da Consciência Negra ou o Dia da Mulher) correspondem a políticas públicas que visam construir a equidade por meio de um tratamento desigual para os desiguais e, ao mesmo tempo, contrapor os discursos que historicamente posicionam os homossexuais (assim como os negros ou as mulheres) como subalternos e descartáveis, destruindo sua autoestima. Sem mais, agradeço sua gentileza em receber esta minha carta já que uma conversa entre nós não foi possível por motivos de agenda.

Jean Wyllys
Deputado Federal PSOL-RJ
 
Ellen
 

3.8.11

MST ocupa Incra de São Paulo


3 de agosto de 2011


Por Maria Aparecida e Jade Percassi

Da Página do MST

Cerca de 500 trabalhadores e trabalhadoras acampados e assentados do MST do estado de São Paulo ocuparam a sede da Superintendência do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), na manhã de hoje, 03 de agosto. O ato tem por objetivo pressionar o governo para a pauta da Reforma Agrária.
Desde junho deste ano, os trabalhos do órgão em São Paulo encontram-se completamente paralisados, aguardando a nomeação de um novo superintendente. 

A pauta de reivindicações do Movimento no estado é antiga: desapropriação de terras, regularização dos assentamentos já existentes, assistência técnica, crédito para a produção, infraestrutura e negociação das dívidas das famílias assentadas.

Segundo Gilmar Mauro, da Direção Nacional do MST, “O Incra de São Paulo não tem superintendente, não tem assistência técnica proporcional à demanda, não tem dinheiro. É mais fácil perguntarmos o que afinal temos para realizar a Reforma Agrária!”. 

A atividade integra a Jornada Nacional de Lutas das centrais sindicais, movimentos sociais e diversas organizações, que realizarão uma série de manifestações durante o mês de agosto. 

“É preciso compreender que a Reforma Agrária não depende apenas do MST, mas de toda a sociedade. Estamos reivindicando terra sim, mas também um outro modelo de produção que vai contra o que está sendo praticado pelas grandes empresas, com o apoio do Estado brasileiro. Trata-se de discutir se vamos continuar comendo esta comida envenenada, e que tipo de uso queremos dar aos nossos recursos naturais, que estão sendo transformados em mercadoria”, afirma Gilmar.

Além desta ocupação, o MST participa do ato das Centrais Sindicais e Movimentos Sociais realizado hoje na capital paulista. A pauta integrada contempla, entre outros pontos: 1) Redução da jornada de trabalho, sem redução salarial; 2) Destinação de 10% do PIB para a educação e 3) Campanha permanente contra os agrotóxicos e pela vida.

MOÇÃO DE APOIO

A Associação Brasileira dos Estudantes de Filosofia aprovou por unanimidade, em sua Assembleia Geral realizada durante o VI Congresso da ABEF, moção de repúdio ao Diretório Central dos Estudantes da Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP) por não apoiar os estudantes de filosofia que participariam do evento.
Os DCE`s são entidades gerais que jamais podem discriminar politicamente os estudantes que o constroem, ao contrário, devem estar a serviço daqueles que pretendem se organizar enquanto Movimento Estudantil.
Saudamos o empenho do Centro Acadêmico de Filosofia da UNIMEP que, legitimamente, cumpriu com o que uma entidade de base comprometida com os interesses dos seus estudantes deveria fazer, ao recorrer as instâncias estabelecidas para garantir a viabilidade financeira da viagem.
A ABEF é uma entidade autônoma que pauta a sua Plataforma Política construída e aprovada na sua Assembleia Geral. Rechaçamos qualquer tentativa de vinculação da mesma a qualquer outra organização que não tenhamos deliberado bem como a utilização dos nossos posicionamentos para fins contrários ao Movimento Estudantil.
Belo Horizonte, 23 de julho de 2011.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS ESTUDANTES DE FILOSOFIA

2.8.11

Conferência - “A questão agrária no Brasil”


O Departamento de Ciências Sociais convida para a Conferência:

“A questão agrária no Brasil”


Conferencista: João Pedro Stédile (Direção Nacional do MST)
Debatedor: Prof. Bruno Konder Comparato
Coordenador: Prof. Javier Amadeo


Data: 12 de Agosto de 2011, (sexta-feira)
Horário: 19h30
Local: Sala 8


Organização: Comissão de Eventos do Departamento de Ciências
Sociais – EFLCH – UNIFESP – Campus Guarulhos.

Atividade Complementar – 03 horas.
Haverá certificado para os participantes, inscrições no local.


Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas - UNIFESP
Diretor
Estrada Caminho Velho 333, Pimentas, Guarulhos, SP
CEP 07252-312

COMO CHEGAR:
http://www.unifesp.br/prograd/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=137&Itemid=149

2º Festival Flaskô Fábrica de Cultura



ATO: NENHUM MILITANTE A MENOS

Advogado e padre da CPT são ameaçados de morte pelo latifúndio no Maranhão

'É por isso que a gente tem que passar o fogo de vez em quando, que nem fizeram com a irmã Doroty!’ O advogado Diogo Cabral, membro do Coletivo de Ação Comunista (recente ruptura do PSOL) e o padre Inaldo Sereio, ambos da Comissão Pastoral da Terra, foram ameaçados de morte por latifundiários no Maranhão. Leia abaixo relato do advogado.
 “Hoje, eu, advogado da CPT Maranhão e padre Inaldo Serejo, estivemos no município de Cantanhede, Maranhão, aproximadamente 200 km de São Luis, para realização de audiência preliminar do processo de nº 3432010, onde os autores são trabalhadores rurais quilombolas do quilombo de Salgado, município de Pirapemas. Os réus são Ivanilson Pontes de Araujo, Edmilson Pontes de Araujo e Moisés Sotero, latifundiários da região.

Estes homens perseguem os trabalhadores quilombolas desde 1981, e, ano passado, ingressaram com ação de manutenção de posse contra estes fazendeiros, pois os mesmos destruíram roças, mataram animais, áreas de reserva, cercaram os acessos as fontes de água, alem de ameaçarem se morte os trabalhadores.

Em 7 de outubro de 2010, após audiência de justificação prévia, foi concedida manutenção de posse em favor dos quilombolas numa área de 1089 hectares. Ainda assim, os réus continuaram a turbar a posse dos trabalhadores, realizando incêndios criminosos, matando pequenos animais, abrindo picadas na floresta, etc.

Não satisfeitos, com a mudança de juiz da comarca e com a entrada de um novo, por nome Frederico Feitosa, os fazendeiros ingressaram com uma ação de reintegração de posse contra as famílias, que foi deferida em 24 minutos, inaudita altera pars, no dia 6 de julho. Eu tive ciência da ação no momento em que pesquisava sobre meus processos naquela comarca. Imediatamente, fui no dia seguinte com padre Inaldo à comarca de Cantanhede, tomei ciência da decisão e agravei. Dia 18 de julho foi concedido efeito suspensivo através do agravo àquela decisão que reintegrava a posse em favor dos fazendeiros. Pois bem, hoje, quando chegava naquela comarca, para realização de audiência preliminar, o fazendeiro Edmilson Pontes de Araujo esbravejava na porta do fórum de que 'era um absurdo gente de fora trazer problema para o povoado, que era uma vergonha criar quilombo onde nunca teve nada disso (se referindo a mim, ao Inaldo e ao agente da CPT Marti Micha, alemão naturalizado brasileiro). É por isso que a gente tem que passar o fogo de vez em quando, que nem fizeram com a irma Doroty!'
Camaradas, a CPT Maranhão tem enfrentado de tudo: duas vezes foi arrombada, onde levaram documentos e HD’s, ligações ameaçadoras e agora mais esta ameaça contra três agentes pastorais. Peço aos companheiros que possam espalhar essa mensagem por suas listas, porque eu, Diogo Cabral, advogado da CPT e padre Inaldo, coordenador tememos por nossas vidas! Mas apesar das ameaças, não recuaremos um milímetro!!! 

Diogo Cabral advogado da CPT Maranhão’